Continuando as dicas para estudantes – aqui está a parte 2 caso não tenha visto.

 

  • Não basta ser bom

O mercado de jogos é muito competitivo. Se quiser trabalhar em um estúdio, ser bom não basta. Precisa ser um dos melhores. No curso, cada trabalho feito com a mentalidade de “só quero passar” é um fator negativo que pode ser a diferença que vai puxar você para baixo na hora de se destacar. Claro, eu falei antes que portfolio é rei, o que daria a entender que suas notas não importam tanto assim. Só que a diferença entre um aluno que se puxa, que usa cada trabalho como uma oportunidade para fazer algo excelente, para alguém que só fica na média, é gritante. Algumas empresas antes de abrir vaga ao público, entram em contato com as universidades pedindo indicações dos melhores alunos. Existem ainda outras oportunidades como premiações em festivais, algumas instituições que premiam com viagens internacionais quem tem as melhores notas, há o estúdio interno na Unisinos que geralmente abriga os melhores alunos (afinal no teste para entrar é comum os melhores resultados virem dos melhores alunos…).

Quem sempre vê um trabalho como um desafio a ser superado da forma melhor possível, irá fazer tudo bem feito, irá se destacar. Não é por coincidência que os alunos que sempre estão nos eventos, que acabam sendo premiados em festivais, que ganham prêmios, oportunidades internas e externas do curso, são os melhoras nas disciplinas também. E estes serão lembrados e indicados pelos professores. Assim o portfólio resultante será naturalmente superior de outros alunos que não se puxam. Então veja cada trabalho como um oportunidade de destaque e busque a excelência.

 

  • Não vai ser fácil

Estamos falando aqui de viver do seu sonho, de trabalhar com criatividade, de fazer o que gosta. É tudo muito mágico na teoria, mas na prática NÃO VAI SER FÁCIL. Tenha isso em mente desde o início. Fazer jogos é BRUTALMENTE difícil, envolve quase todos os conhecimentos da humanidade, como tecnologia, arte visual e sonora, psicologia, roteiros (se for o caso), etc. Há uma grande diferença ente um protótipo que funciona mas ainda rústico, e um jogo 100% polido, balanceado, tecnicamente estável em qualquer máquina. O esforço para aprender o processo de criar um jogo do início ao fim, ter a paciência de testá-lo ao extremo até virar um produto de alto nível, é considerável. A sua jornada terá momentos de tensão, sofrimento, caos. Seja qual for a especialização que escolher, vai precisar de muitos anos de prática para ter uma boa qualidade, virar muitas noites por causa de bugs, precisar de um esforço descomunal. Esteja pronto para isso.

Mas certamente terá muita gente para ajudar, basta insistir até conseguir. Lembre-se que isso vale para qualquer profissão que escolher na vida, é uma longa jornada até atingir o conhecimento e ter experiência. É como a jornada do herói, aquela do Joseph Campbell.

Mas se fosse fácil não teria graça! Não estou querendo assustar ninguém, só alertando que vai precisar de resistência, perseverança, resiliência, garra. É como Dark Souls, difícil mas possível. E quando apertar sempre tem o modo coop para ter uma aliviada, seja seus colegas ou professores, todo mundo se ajuda, não é uma competição. Todos queremos atingir nossos objetivos. Não há maior satisfação para um professor do que ver seu aluno realizando seus sonhos.

 

  • Mantenha-se motivado

Sério! Mantenha-se empolgado! Você está fazendo um curso para virar um profissional que cria jogos! O quanto incrível é isso? É uma grande oportunidade de realizar seu sonho de forma direta. Alguns anos atrás as pessoas tinham que fazer qualquer curso de tecnologia ou arte, algo levemente parecido com o que queriam, para só depois tentar de algum jeito entrar na área que mais desejavam. Foi o meu caso, acabei fazendo graduação de tecnólogo em processamento de dados, pois era algo ligado com tecnologia, mas no meio do curso acabei indo para arte 3D, que aprendi com livros… Ou seja, dei muitas voltas até conseguir trabalhar com jogos anos depois.

Só que hoje em dia é possível fazer um curso especializado sobre desenvolvimento de jogos! Com professores experientes na área, alguns inclusive donos de estúdios. Veja que oportunidade de ir direto para o seu objetivo, sem rodeios. Então mantenha-se motivado. Trate cada trabalho como um desafio, tenha motivação para se puxar e atingir seu sonho com a maior excelência possível. É necessário muita força de vontade, paciência, e também motivação! Não a perca no meio do caminho!

 

  • Competência, persistência, um pouco de sorte

Não há uma receita de bolo para conseguir um bom emprego ou oportunidade na área de jogos. Cada um precisa trilhar o seu caminho. Além da competência, um pouco de sorte também conta. A sorte vale para todos, mas li uma vez um termo muito interessante: “faça a sua sorte”. Isto significa estar bem preparado a todo momento, pronto para agarrar qualquer oportunidade que aparecer.

Por exemplo: imagine que você encontre no SBGames um representante da Sony que está procurando novos jogos indies para lançar na PSN. Você nem sabia que ele estaria no evento, mas por sorte está lá. É uma oportunidade. Você tem um protótipo pronto para mostrar? Um bom portfólio? Está tudo online com descrição, imagens, vídeos e download disponível? Tem um cartão de visita e talvez até um folder do projeto? Perfeito, é só falar com o cara e apresentar o seu projeto. É uma oportunidade que foi aproveitada, porque você estava preparado para o que der e vier. Isto é fazer a sua sorte.

Tenha isso em mente e também adapte para evoluir. Talvez apareça a oportunidade de fazer um projeto de jogo que não lhe agrada, mas é a chance de seguir em frente, em criar portfólio, conhecer novas pessoas; então faça. Lembre-se que criador de jogos faz jogos, é a sua profissão, e geralmente não é o jogo da sua vida, é o jogo possível de ser feito no momento. Faça ele com toda a dedicação que puder e isso garantirá novos projetos e você terá mais experiência, ficando melhor conceituado no mercado. É o caminho para crescer e um dia quem sabe, realizar aquele jogo que sempre sonhou. Veja o exemplo de empresas que nasceram produzindo advergames – jogos comerciais para vender produtos, e depois de alguns anos cresceram bastante, até chegar no ponto de também criar jogos autorais de sucesso.  Então trilhe o seu caminho, sempre pronto para agarrar todas as oportunidades.

 

  • Networking !

Um profissional não deve somente ser eficiente na sua área, ele precisa ter uma boa capacidade de comunicação e networking – conhecer gente da área, quanto mais melhor. Por isso é importante participar de feiras de desenvolvimento (evitar feiras que são dedicadas para jogadores somente) e conversar com todo mundo, participar das mesas redondas, jogar os jogos do festival, expandir sua rede de contatos e conferir o que está sendo produzido no país. Um dos maiores eventos nacionais é o SBGames, e basta ir alguns anos para notar que são sempre as mesmas pessoas que estão lá. É fácil conhecer e reforçar os contatos. Além de estudantes estão os donos de empresas, associações, representantes de publicadoras… Ter estes contatos é fundamental, ajuda a “criar a sua sorte” conforme comentei antes. Tenha sempre cartão de visita, um portfólio online (sempre é bom também cópia local no notebook) e vá adicionando o pessoal no Linkedin.

Lembre-se que Linkedin é usado só para relações profissionais, não vai queimar o filme com publicações do tipo Facebook… 🙂

 

  • Criador indie é como músico amador…

Se você pretende ser um criador independente, não tenha a ilusão que será fácil ou rápido viver da renda de seus jogos. Eu costumo comparar um criador indie a um músico amador.

Todo músico sonha em viver da sua música, mas é um caminho longo e difícil atingir este sonho. Geralmente começa sozinho aprendendo a tocar, depois encontra alguns amigos e forma uma banda, ensaia na garagem por muito tempo, então se apresenta em pequenos eventos como formatura, festa de criança, na praça de alimentação de shopping, ganhando muito pouco ou até nada; afinal no início o que vale é ter uma oportunidade de se mostrar. E assim vai até as pessoas começam a conhecer a banda, com alguma divulgação boca-a-boca, e talvez o cachê de cada apresentação vai melhorando. É comum as bandas terem 10 anos de história até ganharam algum concurso nacional ou atraírem o interesse de um empresário para finalmente crescer e conseguir lotar shows ganhando uma boa grana. Provavelmente o músico teve um outro emprego para se sustentar até conseguir viver da sua música.

Já o desenvolvedor de jogos irá ter um caminho parecido. Precisará de uma boa experiência, aprendendo com as primeiras criações até ter o conhecimento de mercado, os contatos para conseguir talvez fazer parceria com um publicador que irá ajudar no processo de divulgação e design do jogo… Enfim, tenha em mente que vai levar um bom tempo e muito esforço até o dinheiro vir. Hoje em dia existe tanto jogo disponível, que mesmo que você faça algo muito bom e de graça, vai precisar trabalhar para divulgar de algum jeito, e só então as pessoas vão começar a baixar e quem sabe até criar uma comunidade de fãs do seu produto.

Tem gente que trabalha em outra área e cria jogos de forma paralela a este trabalho, ou até trabalha com jogos em outro estúdio, criando seu projeto pessoal em casa também; são caminhos mais seguros para conseguir se sustentar até a sua carreira indie decolar. Geralmente é necessário uma boa experiência de mercado para conseguir viver sendo indie integral. Não tenha a ilusão que vai criar o novo Flappy Bird e ficar rico da noite para o dia, isso não existe. Ganhar na loteria é mais fácil. Mas também não desista do seu sonho de ser indie, se for o caso, só tenha um bom planejamento de como fazer isso. Tenha um plano B e não arrisque tudo neste sonho logo de início (como vender um carro e hipotecar a casa para financiar o primeiro projeto…).

 

  • E se tudo der errado depois de formado?

Algumas pessoas tem medo de não conseguirem uma colocação no mercado, já que a área de desenvolvimento de jogos não é tradicional no país (apesar do grande crescimento constante). Mas você acha que se for advogado, contador, engenheiro, qualquer outra profissão mais “comum”, estará com um bom emprego garantido? Não é bem assim. Como falei antes, cada um precisa trilhar o seu caminho e não há receita de bolo. As profissões tradicionais tem muita oferta de mão de obra, aumentando a concorrência e baixando os salários. Não é fácil pra ninguém. Então foque em fazer algo que gosta, persiga seus sonhos. A verdade é que se você for um profissional competente, irá achar alguma colocação certamente. Se não conseguir trabalhar diretamente com jogos desde o início, existe muitas outras opções derivadas.

Então se alguma coisa der errado, não esqueça que existem muitas possibilidades de “viver de jogo”. Além da parte de desenvolvimento básica (programador, artista, músico), existem as atividades de produtor, marketing, relações públicas, youtuber (seja jogando ou criando documentários, tutoriais, análises técnicas, análises tradicionais), crítico/jornalista, testador, jogador profissional, narrador profissional de torneios, professor (acadêmico ou não), ter uma loja de jogos ou itens derivados, ser gerente de comunidade/redes sociais de algum jogo, etc. E se for artista pode trabalhar na produção de publicidade, audiovisual, visualização arquitetônica, assim como músico. Programador tem toda a indústria de T.I., talvez maquetes interativas para arquitetura… Muitas opções.

 

  • Cuide da sua presença virtual

Todo mundo tem dois tipos de presença. Uma delas é a presença física: o que você é na vida real. O jeito que se comporta, fala, sua simpatia, enfim, como você é. Outro tipo de presença é a virtual, que seria a IMPRESSÃO do que você é, relativo a sua atividade na internet.

Por exemplo: imagine que você é candidato a uma vaga em uma empresa. Existem outras pessoas com nível de ensino e portfólio semelhante ao seu. O que irá decidir quem leva a vaga? É bem possível que o dono da empresa ou o responsável pelo RH dê uma olhada no seu perfil nas redes sociais, para ter uma noção melhor de quem é a pessoa que está pensando em contratar. Ou seja, é alguém que não te conhece e irá ter uma impressão de quem é você a partir das suas postagens. Faça o teste agora, entre no seu perfil do Facebook e dê uma olhada crítica nas suas últimas publicações, comentários, etc. Imagine que alguém que não te conhece está vendo isso. Será uma boa impressão? Uma impressão correta ou errada ao seu respeito? Seria um ponto positivo ou negativo para sua imagem?

Você pode achar isso exagerado, que as redes sociais (com exceção do Linkedin que o foco é profissional) são ferramentas para se divertir, conversar com os amigos, e ninguém vai levar isso a sério. Pode ser. Mas num mercado tão competitivo como jogos, eu não arriscaria ter um “ponto negativo” na minha chance de conseguir uma oportunidade. E pense: se você é o dono de uma pequena empresa, vai trabalhar diariamente com uma nova pessoa, não ficaria com o pé atrás se esta pessoa publicasse só bobagens, como briga de bêbados no meio da rua e outras baixarias? Eu acho que um profissional deve ser completo, não só na parte técnica como na pessoal, e sua presença virtual deveria confirmar isso. Se eu fosse o dono do estúdio,  esperaria que a pessoa que pretendo contratar divulgasse conteúdos interessantes (coisas relacionadas ao seu trabalho também), demonstrasse sua opinião sobre algo que não seja a final do Big Brother, seja alguém que gostaria de almoçar para jogar um papo fora, não só eficiente na parte técnica.

Então da próxima vez que for curtir, publicar, comentar ou compartilhar algo, lembre-se que isso ficará vinculado a sua imagem digital de forma pública. É esta a presença virtual que quer ter? Não há problemas em colocar fotos das suas viagens, do que comeu em um restaurante especial no seu aniversário…, coisas pessoais. Mas além disso, o que está lá?

 

  • Inglês não é língua secundária

Um pouco óbvio, mas não custa lembrar: inglês é tão básico que pode ser considerado língua primária. Deve ser quase a sua língua nativa. Domine pelo menos a leitura e o ouvido, o quanto antes. Apesar que vários livros clássicos de game design foram traduzidos para o português alguém tempo depois do lançamento, ainda há uma grande quantidade só disponível em inglês. E nenhuma linguagem de programação é traduzida. Além disso a internet está cheia de palestras e tutoriais em vídeo de alta qualidade, sem legenda.

 

  • Durma direito

Parece conselho chato da avó, mas é fato científico: dormir direito é fundamental para o aprendizado e produtividade. É durante o sono que o cérebro se livra de toxinas que acumula durante o tempo que está acordado, seleciona as novas informações que considera importantes e passa para a memória de longo prazo, descarta as que não são importantes, etc. Ou seja, se não dormir direito não irá lembrar do que aprendeu, irá fazer um trabalho ruim, ficar irritado caindo de sono pelos cantos, um desastre. Não compensa dormir mais tarde para ganhar algumas horas, pois irá perdê-las no outro dia. E não há força de vontade que ganhe das necessidades do próprio corpo, quem manda é o cérebro, respeite ele para ele respeitar você.

Eu sei que é muito difícil conseguir realizar esta dica, tem gente que trabalha em dois turnos, estuda no terceiro, chega tarde em casa e precisa acordar cedo… Mas dentro do possível, durma direito. O mínimo é 6h de sono de boa qualidade (local escuro e silencioso), mas o ideal é de 7h a 8h, depende de cada um.

 

  •  Faça exercícios físicos regulares

Outra dica que parece bobagem, mas a ciência comprovou: exercícios regulares (aqueles que fazem suar), te deixam mais inteligente. É isso mesmo! Após várias sessões de treino, há formação de novos neurônios, sinapses, e ocorre o aumento da neuroplasticidade (capacidade do sistema neuronal de se reorganizar e se adaptar, em resposta ao ambiente). Sem falar de vários outros benefícios para a saúde em geral. Mais detalhes na revista NeuroEducação, nº 7 (nas bancas).

 

Ufa, acho que falei tudo que queria. O que você acha destas dicas? Falta acrescentar alguma?

Independente das dificuldades, lembre-se que estou sempre disponível para ajudar no que for possível, mesmo depois de graduado.

Boa sorte e sucesso para todos que estão lutando para conquistar seus sonhos!

Abraços.

Anúncios