Antes de qualquer coisa eu queria dizer que realmente adoro o VGL, a idéia do show em si, a qualidade das músicas, os vídeos sincronizados no telão, os convidados especiais… Já fui no show 2 vezes e tenho o DVD/Blu-Ray. A primeira vez que vi foi no Rio em 2009 (logo antes do SBGames, estava lá para o congresso e já aproveitei), e a última vez foi neste ano em Porto Alegre (finalmente depois de anos de espera!).

No Rio foi mais marcante, pois era a primeira vez que via e tocaram Shadow of The Colossus (apesar de não ser a música toda) e God of War (senti falta destas músicas em Porto Alegre). Este ano divulgaram que seria um show inédito na América Latina, mas acabou sendo bem parecido com o do Rio anos atrás. A diferença positiva em POA foi o público, o pessoal realmente ficava quieto para ouvir as músicas, já no Rio era uma bagunça, todo mundo conversando e gritando o show inteiro, parecia intervalo do ensino médio…

SOTC em 2009

Ah, outro momento único e emocionante em POA foi uma (super) breve conversa com o Ralph Baer via skype, o criador dos videogames, agora com quase 90 anos.

 

Pois bem, já falei o quanto gosto, agora seguem algumas coisas que estragam a experiência…

Repetição: Já vi mais gente falando sobre isso em análises do show, é sempre muito igual o espetáculo. Pelo menos 70% é idêntico a anos, até as interações/piadas do apresentador são semelhantes. E se é para fazer igual pelo menos mantenha God of War que fica fantástico ao vivo. (e Shadow of The Colossus !! Trilha espetacular… )

E por falar ao vivo…

 

A polêmica do Playbak… Mito ou verdade???

Em Porto Alegre algumas coisas estranhas aconteceram… Em um momento o som deu um problema e tudo ficou mudo por 1 segundo… até ai tudo bem pois eu estava longe do palco e os microfones poderiam ter dado pane por um instante, então nada de mais.

Na trilha do MGS3, Snake Eater (fantástica música, aliás) há uma bateria. Procurei por ela no palco e não achei… vi algum tambor ou algo de percussão no fundo, numa área mais escura, então acreditei que o som vinha dali, ok sem problemas.

Mas então chega a música do Bodycount, com participação do compositor original. Ele não regeu, só deu um olá e sumiu. Porém no meio da música apareceu correndo no palco com um teclado enorme pendurado nos ombros… Ficou lá andando pela platéia e apontando o teclado para o povo como se fosse uma metralhadora no melhor estilo Steve Harris. Teatral demais, mas o que ficou mais chato foi que ele não tocou nada. Mantinha uma mão fixa sobre o teclado, sem nem se preocupar em simular que tocava alguma coisa. Isso ficou muito estranho… por que aquela criatura fez todo esse teatro sem tocar uma nota…?

 

Mick Kiely “tocando“ misticamente sem mexer a mão…

 

Depois do show procurei na Internet algumas análises em blogs, sites, e achei gente falando que era tudo playback, show falso… será?? Difícil de acreditar que o show de game music mais famoso do mundo é um teatro em playback… Eu não daria bola a estas teorias de conspirações se não tivesse visto ao vivo aquela cena estranha do Bodycount, a bateria mística do MGS3… Ai comecei a lembrar que o som do show estava muito bom, bom demais, super bem equilibrado todos os instrumentos, parecia pré-editado… ainda mais com uma orquestra não muito grande, coral menor ainda… Alguma coisa está estranha…

Veja os posts abaixo (especialmente os comentários) e tire suas conclusões.

 

http://hadouken.wordpress.com/2009/10/26/playback-ao-vivo/

 

http://wp.clicrbs.com.br/canaldosgames/2011/10/13/passagem-do-video-games-live-em-porto-alegre-emociona-fas-e-deixa-espaco-para-bis/?topo=2,1,1,,,2#idc-container

 

http://wp.clicrbs.com.br/canaldosgames/2011/10/12/hoje-e-dia-de-assistir-video-games-live-em-porto-alegre/?topo=2,1,1,,,2

 

http://hadouken.wordpress.com/2009/10/12/vgl-2009-cada-vez-mais-show-cada-vez-menos-concerto-todo-mundo-se-alegra-e-eu-nao-me-contento/

 

Tem gente que diz que é puro playback, que a orquestra está fingindo que toca (não acredito que a nossa orquestra toparia fazer uma palhaçada dessas), tem gente que diz que o playback é usado só nos instrumentos que não tenha na orquestra em questão (ex: se a música tem bateria e a orquestra não conta com uma, por falta de espaço, então toca a bateria pré-gravada junto com a orquestra ao vivo – o que seria razoavelmente ok, nenhum problema tão grave), tem gente que diz que há uma trilha de preenchimento, a orquestra realmente toca junto com uma base pronta, mas base de instrumentos iguais a ela ou só outros juntos? Enfim, é uma confusão de suposições e conspirações…

 

Eu gostaria de acreditar que não é tudo playback, que a orquestra toca de verdade, pois é um absurdo imaginar que pessoas que dedicaram a vida inteira a dominar um instrumento aceitariam ter uma noite de Justin Beaver… Mas certamente há coisas estranhas. Comentem o que vocês acham…

Alguém conhece um músico ou outra pessoa da produção que participou internamente do show e possa esclarecer estas dúvidas?

 

Mesmo com um pé atrás por estas possíveis “enganações” e um show um tanto quanto repetitivo (e com excesso de músicas da Blizzard desta vez…), ainda quero ir novamente pois sempre é uma experiência fantástica. Mas a empolgação diminuiu, talvez diminua mais a cada ano se estes problemas continuarem. Pelo menos é sempre um momento raro de reunir os amigos da área e celebrar os videogames como fenômeno cultural. Playback ou não as músicas são fantásticas, não se pode negar.

 

Espero que o sucesso do VGL estimule outros shows de game music por aqui, como por exemplo houve em POA (logo depois do VGL) um show para o dia das crianças que a orquestra tocou músicas de jogos. Produção pequena, sem telão e lasers, mas era gratuito e verdadeiramente sem playback…

 

ATUALIZAÇÃO: Depois de escrever este post, achei o blog de uma violoncelista de Porto Alegre (abaixo), que viu o show e comentou de forma clara e direta que era tudo playback… Inclusive ela conhecia outros músicos que confirmaram… Com isso parece não haver mais dúvida… É realmente uma enganação, que decepção. Irei pensar muito se vale a pena ir de novo…

http://monicacello.blogspot.com/2011/10/farsa-do-video-games-live.html

 

Pois é gente, estávamos todos vendo um show do Tenacious D sem saber…

Se é para fazer playback então faz direito…
Anúncios