Um pouco de história:

Em 2007 tive a idéia de criar um jogo simples, um shooter com cenário fixo, para fazer em parceria com meu amigo Bira (ex-colega do mestrado). Ele faria programação (XNA) e eu seria responsável pela arte e game design. Fiz um concept doc e começamos.

As inspirações eram a temática de células e cenário fixo de Blast Factor, troca de atributos de tiros como em Ikaruga, cenários rápidos e inimigos diversos como em Mutant Storm, entre outros. O foco era algo simples para ser realizável por somente duas pessoas, mas que tivesse uma jogabilidade interessante com alguma inovação. A inovação estava no sistema de refletir tiros no cenário (daí o nome Reflexor), trocando seus atributos, além de focar na precisão ao invés de ação descerebrada (pois o sistema de pontos premia quem poupar tiros).

A maioria dos shooters não cria nenhuma desvantagem se o jogador ficar 100% do tempo atirando, porém meu objetivo era criar uma “sugestão” de atirar no momento certo, dando mais pontos e vidas se fizer isso (mas se quiser atirar à vontade, tudo bem, só terá menos pontos e não acumulará vidas extras). Outro foco era intercalar ação com elementos de puzzle, para não ficar maçante.

 

Enfim, chegamos a fazer um protótipo simples, mas devido a correria do trabalho de cada um o projeto em dupla não seguiu por muito tempo. Como estava lidando com o GameMaker (tinha pego uma disciplina do primeiro semestre no curso de jogos, que utiliza este sistema) resolvi tocar o projeto sozinho. Com o GameMaker poderia fazer toda a programação também, afinal era muito mais simples que outras linguagens. Mas claro, tinha que aprender a lidar com as limitações dele.

Bem, o tempo passou e fui tocando o projeto nas horas vagas ou horas que “dei um jeito de serem vagas”… Às vezes trabalhava por vários dias seguidos, já em outros momentos não conseguia mexer no jogo por quase meses… Enfim, lentamente ele foi ganhando forma e conteúdo. Chamei então esta versão de Reflexor Zero, ou seja, a versão light da idéia completa, feita em GameMaker. Algo como um protótipo estendido, uma demonstração pequena do conceito que poderia virar um produto completo no futuro.

 

Quando estava jogável, mesmo com gráficos horríveis de teste, coloquei no fórum dos alunos do curso de jogos da Unisinos para ter algum feedback. Em geral agradou, mas o melhor contato que consegui foi o amigo de um aluno que me escreveu perguntando se aceitaria ajuda para a composição das músicas. Claro, ótimo! Assim depois de bastante conversa, troca de referências e testes (desde Agosto de 2008), o jogo ganhou músicas próprias. Este meu parceiro de projeto é o Daniel Antunes Mastroberti, formado em composição musical pela UFRGS.

Então melhorei os gráficos, coloquei outra versão no fórum. Neste meio tempo outro contato excelente que tive foi do Cássio, também aluno do curso que estava abrindo sua empresa de jogos na Unitec (incubadora tecnológica da Unisinos) dizendo que gostou da idéia e queria conversar sobre produzir uma versão completa comercialmente. Claro, ótimo! 🙂

 

 

Quando o Reflexor Zero atingiu uma qualidade apresentável, sempre fiquei de olho em festivais de jogos para submetê-lo. SBGames é o maior congresso da área, seria interessante colocar o Reflexor lá. Porém pelas regras do festival não poderiam ser enviados projetos feitos em sistemas de desenvolvimento rápido como GameMaker. Com isso não pude enviar nada para SBGames 2008. Felizmente este ano o preconceito caiu e consegui submeter para o congresso.

E deu certo, pois no primeiro ano que o GameMaker foi aceito, meu jogo ganhou o prêmio na categoria independente PC. Por sorte foi justamente quando a Oi Futuro patrocinou a premiação e transformou quase num OSCAR brasileiro dos jogos, com uma grande festa (conforme comentei no post anterior sobre o SBGames), criando o prêmio NAVE. Fiquei feliz pelo reconhecimento e agradeço a todos que contribuíram com o jogo, seja jogando, criticando, divulgando, etc. O prêmio é de todos nós!

 

Resumindo: hoje estou em produção com a Audax Dreams (estúdio do Cássio, Mike, Pedroso na Unitec; todos alunos ou ex-alunos do curso da Unisinos) trabalhando na versão completa do Reflexor. Se o Zero explorou timidamente o conceito de reflexão, o jogo completo irá explorar muito mais este e outros conceitos; porém não posso dar detalhes… por enquanto. Vai levar um bom tempo para concluir o projeto, afinal só para o design doc estamos trabalhando durante vários meses (e está sempre em evolução), mas é assim mesmo. Pois além da qualidade da arte e programação, persistência e paciência é importante para debater e testar as idéias.

 

O site:

Enfim, depois da história toda, eis o site do jogo desenvolvido pela Audax (abaixo). Por enquanto ele conta com detalhes, imagens, vídeo e download do Reflexor Zero (versão ainda não definitiva), mas futuramente terá informações de todas as versões do jogo, especialmente da completa.

Também há um link no site para uma breve pesquisa de satisfação, com espaço para sugestões e críticas. Peço a quem jogar que depois clique lá e deixe algum feedback, é muito importante para influenciar nas versões futuras do projeto. Mas podem jogar à vontade, é melhor responder depois que tiverem uma boa experiência com o jogo. O feedback de quem jogou 2 fases por exemplo não é tão útil como de quem foi até o fim, então não tenham pressa em responder.

EDITADO: Informações da última versão do jogo aqui.

 

Enfim é isso, espero que gostem. Abraços.