17
jan
15

Fiz um novo blog!!!

Como vocês sabem, recentemente tive um filho, ou seja, sou um gamer que pariu! E ai além de todas as preocupações clássicas que surgem na cabeça de qualquer pai, fiquei pensando em quais jogos iria jogar com ele, desde criança até adulto. E com o mercado cheio de produções violentas e de baixa qualidade, acho que seria uma informação interessante também para outras pessoas – jogos indicados para crianças.

Então surgiu a ideia de criar um novo blog pra falar sobre isso! Além de sugestões de jogos, outros artigos sobre educação e afins.

 

Dê uma olhada: https://gamerquepariu.wordpress.com

 

Alguns artigos em destaque:

 

Não tem muito conteúdo ainda, mas vai crescendo com o tempo. E claro, este blog também continua ativo! São públicos diferentes, coisas mais complexas sobre game design aqui, dicas mais diretas para pais lá.

Aprecie e indique para pais que se preocupam com a vida digital de seus filhos!

05
jan
15

A influência de Escher nos jogos digitais

Maurits Cornelis Escher (1898-1972) foi um artista holandês que ficou muito famoso por suas obras que usavam perspectivas impossíveis e eram realizadas com uma qualidade técnica incrível. Veja aqui alguns de seus desenhos:

mc escher monochrome optical illusion waterfalls greyscale 1315x1670 wallpaper_www.wall321.com_83

Continue lendo ‘A influência de Escher nos jogos digitais’

29
dez
14

140 – elegância sinestésica

Quem é Jeppe Carlsen? Ele foi o diretor de gameplay do Limbo, aquele jogo muito interessante do menino em uma espécie de purgatório, feito em silhuetas.

Mas estou aqui para falar do seu projeto solo – 140. Ele fez o jogo todo (usando Unity, durante suas horas vagas em aproximadamente 2 anos de trabalho), só teve o auxílio de um músico e outro artista conceitual.

140-logo

Continue lendo ‘140 – elegância sinestésica’

22
dez
14

SBGames 2014 – na visão de quem trabalhou no evento

Todo ano posto aqui as minhas impressões sobre o SBGames. Desta vez também farei isso, só que será um relato diferente, não na visão de um participante, mas na perspectiva de quem trabalhou na organização; afinal fui chair local do festival de jogos este ano. Além disso, foi um evento especial porque ocorreu na minha cidade – Porto Alegre – o que é positivo (não preciso de hotel…) e também negativo em alguns aspectos… :) pois continuei trabalhando e alguns dias fiquei 2 turnos no evento e ainda com aula na noite… mas tudo bem, faz parte!

entrada

Continue lendo ‘SBGames 2014 – na visão de quem trabalhou no evento’

17
out
14

O meu projeto mais audacioso foi lançado!

 

O meu projeto mais audacioso foi lançado!

 

Depois de vários meses de desenvolvimento intenso, o meu projeto mais complexo e audacioso foi lançado! É um sistema gerado de forma procedural, na verdade eu só determinei uma seed inicial e tudo se desenvolveu de forma muito natural e orgânica. Ele foi formado utilizando algoritmos genéticos e extenso uso de redes neurais, o que eu chamo de “inteligência natural” (™), desta forma irá aprender com seu ambiente e se tornará um sistema autônomo daqui a algum tempo.  As possibilidades são infinitas!

 

É até um pouco assustador não ter controle do processo, mas vou fazer o que puder para ele evoluir da melhor forma possível. Desenvolvi este projeto com uma grande colega, parceira de várias empreitadas, mas este foi de longe o nosso maior trabalho em conjunto, estamos orgulhosos do resultado! Na verdade ela que fez todo o trabalho pesado…

 

Agora de início o sistema de áudio está um pouco desregulado, mas espero que tudo se ajuste com o tempo.

 

Clique aqui para ver a primeira imagem.

27
ago
14

Uma nova dimensão para R-Type

Este post tem duas funções. Serve para engordar a categoria do blog de “jogos que marcaram a minha vida”, e também irá fazer uma breve análise de um jogo mais moderno, que na verdade é remake de um clássico… ou seja, estou falando da mesma coisa: R-Type!

r-type_logo

A sua desenvolvedora, a japonesa Irem, foi criada em 1974. Na época seu foco era produzir, vender e alugar máquinas arcades (hardware somente). Em 1978 começou a produzir jogos. O estranho é que as vendas estavam tão ruins em 1994 que o desenvolvimento de jogos foi praticamente paralisado. Então um grupo de funcionários saiu para fundar sua própria empresa, que acabou produzindo Metal Slug para SNK; por isso alguns jogos tem a arte semelhante ao Metal Slug…

Irem_Logo

O que encerrou de vez todos os projetos de jogos da empresa foi o tsunami em 2011 no Japão, que gerou uma crise no país e fez com que a Irem retornasse a sua antiga função de somente montar hardware para arcade (do tipo caça-niquel e semelhantes). Com isso os últimos designers saíram e acabaram por criar outro estúdio… mas infelizmente só fizeram alguns projetos pequenos e estranhos para PS Home…

 

Apesar da história complicada, a Irem produziu muitos clássicos, especialmente shooters de nave (shoot´em up ou shmups para os íntimos). Um dos seus primeiros sucessos foi Moon Patrol (joguei no MSX!), dentre outros clássicos como In The Hunt, Kung-Fu Master (esse era beat´em up, o primeiro da história), além claro da série R-Type. A Irem virou sinônimo de bom shooter, mostrando criatividade nas mecânicas, belos gráficos e altíssimo nível de desafio.

Continue lendo ‘Uma nova dimensão para R-Type’

22
jul
14

Curso Gamification no Coursera.org – como foi

A plataforma Coursera.org é realmente fantástica. Fundada por dois professores da Universidade de Stanford, oferecem centenas de cursos de graça, de muitas universidades ao redor do mundo. Tem cursos dos mais variados assuntos, dê uma conferida no site, alguma coisa irá lhe agradar.

Esta palestra da co-fundadora Daphne Koller é bem interessante, mostra o aprendizado que estão adquirindo sobre educação online:

 

Eu conhecia a plataforma e já tinha me inscrito no curso de Gamification ano retrasado, porém não consegui acompanhar as aulas e fazer os trabalhos. A quantidade de conteúdo e a falta de tempo me impediram de continuar.

Mas ano passado o curso foi ofertado de novo, e desta vez encarei pra valer, consegui ir até o fim. O conteúdo semanal não é tão grande, mas precisa de empenho. Se deixar no “quando sobrar um tempo faço”, não dá certo. Precisa encarar de forma séria. Os trabalhos, especialmente os últimos, podem exigir um grande esforço, mas é plenamente realizável.

Achei o curso ótimo, uma mistura perfeita de teoria com prática. Além disso, a dicção do professor era super clara, ele falava com calma e dava para entender tudo sem problemas. Até no tocador de vídeo da plataforma tem como acelerar a velocidade um pouco, e para ganhar alguns minutos, acabei assistindo quase todas as vídeo-aulas com uma pequena aceleração de 25%. Mesmo assim era fácil entender sua voz. Algumas lições tinham legenda em português, mas nem todas. Acho que a cada ano mais material é traduzido por voluntários. De qualquer maneira todas as atividades e trabalhos devem ser feitos em inglês, então é melhor treinar o ouvido na língua original mesmo.

 

Professor Kevin Werbach da Universidade da Pensilvânia

video_prof

Os videos são bem editados, conforme o professor fala, também rascunha na tela para demarcar alguma área do slide, e o quadro com seu rosto varia de posição e tamanho de acordo com a situação. Em alguns momentos o vídeo pausa e uma pergunta sobre o assunto em questão é feita, só continua se acertar (ou pular esta parte do vídeo, que roda no player da plataforma). Além disso os slides podem ser baixados, mas são só tópicos.

Continue lendo ‘Curso Gamification no Coursera.org – como foi’





Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 32 outros seguidores